O papel da educação é fundamental para o desenvolvimento da sociedade, mas como proporcionar uma educação mais inclusiva e de qualidade?

De acordo com Marcos Pollo, Mestre em Educação, é preciso trabalhar com estratégias que proporcionem continuidade nos planos de educação.

“Para aumentar as oportunidades e transformar economias, é necessário trabalhar com metodologias que ofereçam mais apoio aos estudantes e educadores”.

O mundo mudou e a forma de ensinar e aprender também, por isso, diversificar as estratégias é tão importante, visto que somente a aula tradicional, não é mais suficiente para atingir a todos e, conforme a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), é esperado que os estudantes desenvolvam ao longo da escolaridade competências e habilidades que contribuirão para uma sociedade mais justa e inclusiva. E os programas de educação tecnológica trabalham com essas competências que caracterizam os profissionais do futuro, que são as competências do século 21 e que proporcionam mais protagonismo e significado ao aluno, construindo conexões no cérebro que serão capazes de criar estratégias para solucionar problemas.

“O estudante precisa compreender que o conhecimento não é uma caixinha separada, mas sim, que existe uma correlação entre as disciplinas e a metodologia educacional STEAM (Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática), que é trabalhada na educação tecnológica, integra todas essas matérias com o objetivo de desenvolver o pensamento crítico e formar profissionais com diferentes conhecimentos”

Afirma Pollo.

Aprender por meio de uma metodologia ativa e inovadora, agrega ainda mais valor ao aprendizado e conecta o estudante com a realidade, fazendo com que ele transforme o conhecimento aprendido em algo prático para a vida dele, pois, muitas vezes, ele não consegue compreender de fato onde irá aplicar determinado conteúdo. E quando o estudante enxerga o real significado, há uma transformação no ensino.

Mas para isso acontecer, é fundamental atingir todas as partes envolvidas: Os educadores, a família e também a gestão educacional, e como podemos fazer isso?

Marcos Pollo lista três formas: Investir na formação continuada do educador, afinal, a vivência prática é uma das que mais agregam valor ao estudante; A participação da família durante os estudos, para que o aprendizado seja ainda mais estimulado e uma gestão mais envolvida na parte pedagógica para um plano educacional mais sólido.

Com isso, é possível trabalhar com uma metodologia ativa, que estimule o protagonismo dos estudantes, onde o educador, no papel de mediador, apresenta o contexto da atividade e incentiva a resolução dos desafios por meio do trabalho em equipe, proporcionando assim, uma educação mais inclusiva e de qualidade para todos!


Compartilhe nosso post 🙂