Enquanto os livros didáticos estimulam o interesse dos estudantes na leitura, escrita e aprendizagem, os livros infantis alimentam a criatividade e a narrativa das crianças, especialmente quando há estímulo para que elas reflitam sobre a historinha que acabaram de ver ou ouvir.

O livro é um suporte para a narração e a imaginação.

BNCC no texto “Literatura Infantil: reflexões e práticas”

Por isso, o livro infantil é essencial no processo educacional de uma criança, afinal, acompanhar a vida escolar do estudante, desde cedo, é fundamental para o seu bom desenvolvimento, mas instigar esse desejo antes mesmo da entrada da criança no ensino básico é tão importante quanto.

Ao ler uma história para uma criança, além de questioná-la com perguntas sobre passagens da história, provoque-a a pensar de forma crítica: o que gostou, o que aprendeu, o que mudaria etc. Esta dinâmica é, inclusive, um dos primeiros passos para o desenvolvimento do pensamento computacional, que desenha possibilidades de soluções eficazes a partir da identificação de situações e problemas. Isso se dá pela capacidade de interpretação e observação de diferentes cenários.

Abril é um mês propício para conversarmos sobre literatura infantil e estimular iniciativas que estimulem as famílias a adotarem os livros na rotina das crianças desde cedo. No dia 2, comemora-se o Dia Internacional do Livro Infantil e, no dia 18, temos o dia nacional dedicado ao gênero. E nessas datas especiais, sempre vale a pena lembrar que abrir um livro como rotina abre, na verdade, inúmeras portas na vida.

O Portal “Conta Pra Mim”, da Política Nacional de Alfabetização (PNA), elenca quatro razões para que a própria família inicie o desejo pela leitura nas crianças. Segundo informações do portal da PNA, as ações em família são mais importantes para o sucesso escolar do que renda ou escolaridade familiar, e devem ser incentivadas em diferentes etapas da educação básica. Literacia familiar é:

  • Interagir, conversar e ler em voz alta com seus filhos. É estimulá-los a desenvolver, por meio de estratégias simples e divertidas, quatro habilidades fundamentais: ouvir, falar, ler e escrever!
  • Envolver-se na educação das crianças, curtindo momentos especiais de afeto, carinho e diversão em família, brincando com livros e palavras, por exemplo.
  • Ter iniciativa, pois não é preciso ter muito estudo, materiais caros nem morar em uma casa toda equipada e espaçosa para praticar a literacia familiar. Ela é acessível a todos! Bastam duas coisas: você e uma criança!
  • Desde cedo, pois as práticas de literacia familiar podem começar durante a gestação e se estender até o final da adolescência.

O “Conta pra mim” possui uma coleção de livros gratuitos para diferentes faixas etárias. Saiba mais clicando aqui.

Existem livros para as diferentes fases de desenvolvimento sensório-motor da criança. As obras indicadas para os pequenos de até dois anos, por exemplo, são feitas em papel ou material mais resistente ao manuseio, têm ilustrações, texturas, formas e até recursos sonoros. Tudo pensado de forma a instigar a curiosidade da criança pelos livros por meio do estímulo de todos os seus sentidos, como o tato. Por isso, permita que a criança toque, folheie e descubra como os livros são. O processo de descoberta é extremamente cativante e encorajador, pois, desde muito pequenas, as crianças já começam a aprender.

Segundo Catherine Snow, doutora em Psicologia pela McGill University e professora de Educação da Escola de Graduação em Educação de Harvard, devemos:

Ensinar explicitamente as crianças a converter letras em sons
Essa é uma das principais habilidades que os bons leitores adquirem.

Instruir as crianças a ler textos fáceis com palavras familiares
É desse modo que elas desenvolvem fluência e automatismo.

Concentrar-nos em ensinar vocabulário e conteúdo
É assim que elas desenvolvem o conhecimento que sustenta a compreensão.

Expor as crianças a histórias instigantes
É assim que elas aprendem sobre narrativas e se sentem mais motivadas a ler.

“Todas as divergências sobre o ensino de leitura começam com a alegação de que é preciso fazer uma ou outra dessas coisas no começo da alfabetização. Na verdade, temos de fazer tudo isso”, enfatiza Catherine.

Portanto, explore todos os benefícios que um livro infantil pode proporcionar para que seus filhos e filhas se desenvolvam e tenham interesse pela leitura e pela aprendizagem, estimulando a criatividade e a inovação!

Compartilhe nosso post 🙂